24 de janeiro de 2009

Joao Aguardela


O músico e compositor João Aguardela, do grupo “A Naifa”, faleceu domingo aos 39 anos de idade vítima de cancro, no Hospital da Luz, em Lisboa, segundo um comunicado oficial da banda.
João Aguardela integrou no passado colectivos como “Sitiados”, “Linha da Frente” ou “Megafone”. O músico havia editado com “A Naifa” o álbum "Uma Inocente Inclinação Para o Mal" no ano passado. Os “Sitiados”, a primeira banda de João Aguardela, editaram em 1992 o seu álbum de estreia, sendo de 1999 a edição do seu último registo. Posteriormente, o músico fundou os “Megafone”, que editaram quatro discos, o projecto “Linha da Frente”, que musicou textos de Ary dos Santos, Manuel Alegre e Alexandre ONeill, entre outros. Em 2004, fundou “A Naifa” com Luís Varatojo, Maria Antónia Mendes e Paulo Martins. O grupo gravou temas com letras de escritores como José Luís Peixoto, Adília Lopes ou Pedro Sena-Lino. João Aguardela foi distinguido em 1994 com o Prémio Revelação da Sociedade Portuguesa de Autores.
João Aguardela era "uma força muito positiva no meio musical", disse Zé Pedro, guitarrista dos Xutos & Pontapés, recordando os tempos do Rock Rendez-Vous, ao qual os Sitiados concorreram em finais dos anos 1980, e da participação do grupo na colectânea "XX anos XX bandas", dedicada aos Xutos & Pontapés. Já a cantora Viviane, amiga de João Aguardela desde a génese dos Entre Aspas, definiu-o como "um músico singular que teve uma profunda paixão pelas raízes da cultura e da música portuguesa e isso reflectia-se na música que fazia". Carlos Moisés, vocalista da Quinta do Bill, conheceu João Aguardela num concurso do Rock Rendez-Vous e mais tarde convidou-o para participar no álbum "Os filhos da Nação" (1994). "
Era um critivo à procura de novos roupagens para as nossas raízes da música tradicional", disse Carlos Moisés, recordando o trabalho de Aguardela no projecto a solo Megafone. "Foi um homem solidário, envolvido em causas que lhe pareciam justas" e a obra que deixa é a de "alguém que soube antecipar uma série de coisas", disse o jornalista Ricardo Alexandre.
António Pires, jornalista e crítico de música tradicional, afirmou o seu "pesar profundo" pelo falecimento de João Aguardela, com quem se cruzou "várias vezes" ao longo do seu trajecto na imprensa. "A Naifa é o projecto que mais revolucionou o Fado em Portugal", afirma o antigo chefe de redacção do Blitz, deixando ao músico "um muito obrigado por tudo aquilo que fez pela música portuguesa". Das memórias, António Pires guarda o primeiro contacto com os Sitiados, grupo que o impressionou pela "junção que fazia de coisas vindas de fora com música tradicional portuguesa, com uma visão muito fresca e dinâmica". O projecto Linha da Frente foi, na visão de António Pires, "o trabalho mais pessoal em que o João alguma vez se envolveu, e viria a dar algumas pistas para a obra que viria a desenvolver n' A Naifa"". Sobre a continuidade do grupo, o jornalista indica que "gostaria que tal sucedesse, mas tenho dúvidas e não sei se fará sentido".

Fonte -Sic Online

A SkunknRiot,blogue de musica Underground e de expressao anti-fascista Portugues,faz a justa e merecida homenagem a este grande musico.Pela minha parte,um dos primeiros concerto ao vivo que vi foi mesmo dos Sitiados num barco atracado na Ribeira do Porto,nao me esqueço!

1 comentário:

Anónimo disse...

Até sempre