11 de agosto de 2008

Entrevista Crise Total


Crise Total formada em 1983 é uma das bandas míticas do Punk em Portugal.
Agora preparam-se para voltar em força depois de algum tempo parados, já com dois concertos agendados e com um CD que em breve sairá (esperamos nós). Por estas razões decidimos fazer uma entrevista a um dos elementos dos Crise Total, o Manolo.

SNR – Manolo primeiramente agradeço-te a disponibilidade para esta entrevista.
Como surgiram os Crise Total?

Manolo – Por acaso, em 1983 os pouco punks que havia praticamente conheciam-se todos e costumava-mos bater na feira da ladra, certo sábado vimos chegar a feira um contigente de punkalhada que ninguém conhecia, eu e mais dois ou três metemos conversa e viemos a saber quem eles eram, era o pessoal dos então …CRISE... (Algueirão) e mais uns quantos de Aveiro (incluindo um ou dois membros dos CAGALHÕES), combinamos nesse mesmo dia ir assistir a um ensaio, fui eu e mais três companheiros, mal eles começaram a tocar ficamos todos de boca aberta, pois naquela altura nunca tínhamos visto ninguém tocar assim... rapidamente notei que não tinham vocalista, então perguntei ao Rui se sabia tocar algumas faixas de Anti Nowhere League, a resposta foi sim, começou a tocar o "Woman" e eu comecei a cantar e o resto já podes adivinhar...

SNR – Como descreverias os tempos passados, com a banda?


Manolo – Foram inesquecíveis, mesmo muito bons e cheios de promessa, mas como de tudo bom na vida acaba, connosco passou-se o mesmo.

SNR – Quando começaram a tocar quais eram as vossas influências musicais?

Manolo – Na maior parte foram muitas as bandas, em geral e na maior parte h/c inglês e americano e claro do Brasil...bandas que me marcaram pessoalmente, Dead Kennedys e Anti Nowhere League, GBH...

SNR-E em termos de ideais, achas que foram mudando ao longo do tempo?

Manolo – Acho que sim, como tudo evoluímos, mas o engraçado é que agora fizemos por completo o círculo e estamos como que a regressar ao início, por assim dizer continuamos os mesmos casmurros de sempre...teimosia? Uma virtude! (uma vez anarquista, para sempre anarquista!)

S
NR – João Filipe abandonou a bateria, em 1986 tendo partido para o Canadá e tu também saíste da banda, com retorno em 1988 … O que te fez regressar? Quando saíste, era apenas temporário?

Manolo – Eu sabia que esta pergunta ia ser fodida, no que me toca a mim podemos agradecer ao Sr. João por nos ter fodido completamente o sonho, enfim como não somos de guardar rancor, estás perdoado João, quando ele bazou eu também me fui embora, na altura fui de volta a Macau, mas nem um ano depois já tinha voltado, mas o que é certo é que já não era a mesma coisa, membros diferentes, começamos a divergir, ou se calhar fui eu e foi o princípio do fim... e só agora e mais ou menos nós vamos ver outra vez, pouca gente sabe disto, mas isto vai ser uma reunião que é necessária para cicatrizar algumas feridas antigas...

SNR- Onde é que foi o concerto que ainda hoje vos fica marcado na memória?

Manolo – Para mim foi o gig da comuna com KÚ DE JUDAS, EMILIO e a TRIBO DO RUM, CRISE TOTAL e se não me engano teve direito a dois membros dos MATA-RATOS também subirem ao palco, esgotou por completo, havia lá pessoal do Norte, do Algarve, do meu bairro (Portela) enfim foi uma grande efeméride...

SNR – De todas as bandas com quem tocaram, como Mata-Ratos, Kú de Judas, entre outras qual para ti foi inesquecível?

Manolo – Para mim foram os KÚ DE JUDAS no Porto, tocaram altamente, outro gig marcante...e claro também os XUTOS, pelo facto que nunca tínhamos tocado para tanta gente...

SNR – Algum sítio em mente, onde queiram tocar e ainda não o fizeram?

Manolo – Sim, ando a ver se consigo trazer o pessoal ao Reino Unido, seria a cereja no topo do bolo...

SNR – Em relação ao CD é verdade que estão com um pronto a sair? Se sim para quando?

Manolo – Sim, vai ser editado pela SUBSOUNDZ (LABEL BRITANICA) deve sair com sorte em Setembro/Outubro, com os concertos do R.R.V. ao vivo, quase todos os fans a sério da banda têm as k-7s, este CD vai servir para aqueles que não têm a k-7s, a ver se fica pronto em tempo de ser vendido nos concertos de celebração dos 25 anos... (figas)

SNR- Agora peço-te para deixares uma palavrinha ao pessoal que lê o Skunk’N’Riot e aos que são fãs de Crise Total.


Manolo – Bem, mais uma vez agradeço a oportunidade e desejo aqui a todos aqueles que não somente criticam e protestam mas também agem! Um grande abração anarquista e a ver se nos vemos dia 3/10 no porto ou dia 4/10 em Lisboa.
AGE, RESISTE E LUTA!! CRISE TOTAL VINTAGE HARDCORE!!!






download

5 comentários:

Noiatt disse...

A CRISE CONTINUA!

raquel disse...

ah ines aletria, mas que post bonito!
A ver se os vemos pra semana! hehe

froi disse...

Espectacular... foi um concerto arrebatador... venham mais deste que a malta bem precisa de agitar o corpo com os Crise Total.

És o maior,Manolo... Ganda maluco...

Punk Psicadélico disse...

Grandes Crise total, boa entrevista...só hoje tive conhecimento da edição do disco com os concertos do RRV.

raquel filha d joao filipe disse...

ei algum d voces conhece o meu pai, o joao filipe k era dox crise total?? respondam pa est mail:
raquel_silveira6@hotmail.com

se o conhecerem respondam s.f.f

xauzim